A bióloga e professora Mercedes Bustamante: “Vetores de mudança não atuam de forma isolada, mas muitas vezes de forma sinérgica e complexa”.

“Os instrumentos de política não podem olhar um único fator”, adverte a bióloga Mercedes Bustamante, referência nacional quando o assunto é o bioma Cerrado. A professora da Universidade de Brasília (UnB) é autora dos diagnósticos do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, sigla em inglês) e Painel Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES, sigla em inglês) dentre inúmeros outros documentos globais e nacionais. Bustamante também tem experiência como gestora no Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) e Ministério da Educação (MEC). Atualmente é uma das coordenadoras da Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos.

A trajetória entre cientistas e tomadores de decisão fez Mercedes ter um olhar diferenciado sobre as relações entre conhecimento científico e política. Bustamante defende que quando problemas ambientais atingem escala global, como mudanças climáticas ou o declínio global da biodiversidade, a cooperação em múltiplas dimensões tem quem avançar para o enfrentamento destas questões. E, segundo a especialista, as plataformas possibilitam a criação de uma atmosfera positiva entre cientistas e tomadores de decisão.

Na elaboração do 1º Diagnóstico de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos, que está sendo produzido pela BPBES, Bustamante coordena juntamente com Jean Paul Metzger (USP) o capítulo que se debruça sobre as tendências e impactos dos vetores de degradação e restauração da biodiversidade e serviços ecossistêmicos.

Os vetores de mudança analisados são os fatores que levam às transformações que afetam a biodiversidade e os serviços ecossistêmicos de forma direta, tal como a poluição; ou indireta, por exemplo, política de incentivos à exportação de determinados produtos agrícolas. Mercedes explica que estes vetores, em geral, ocorrem de forma combinada e com interações complexas. Para desenhar e elaborar políticas, é fundamental entender como estes vetores se inter-relacionam, caso contrário, não se atingirá os resultados pretendidos.

 

Boletim Interfaces – O que são os vetores de transformação como eles interferem na biodiversidade e nos serviços ecossistêmicos?

Mercedes Bustamante – Vetores são todos aqueles fatores que induzem alterações na biodiversidade e nos ecossistemas. Trabalhamos basicamente com duas categorias de vetores. Os vetores indiretos que geralmente estão associados com fatores socioeconômicos, demográficos, mudanças no padrão de consumo, novas tecnologias e processos associados, demandas por determinados tipos de produto, e esses vetores indiretos levam a causas diretas na transformação da biodiversidade, como transformação do uso do solo, poluição, entrada de espécies invasoras, que são os chamados os vetores diretos. Por exemplo, a demanda por certos tipos de produtos agrícolas leva a expansão da área cultivada que vem da conversão de florestas ou de sistemas naturais.

Boletim Interfaces – Qual a importância de se identificar estes vetores para a conservação da biodiversidade e serviços ecossistêmicos?

Mercedes Bustamante – A identificação destes vetores e quais os fatores estão por detrás deles é muito importante porque as políticas tem que atuar exatamente atenuando esses vetores de transformação ou mitigando as consequências dessas mudanças sobre a biodiversidade.

Além disso, a identificação destes vetores permite avaliar se estão se intensificando no tempo ou se algum vetor está se tornando mais importante e como isto está se projetando no futuro próximo. O diagnóstico permite apontar qual o instrumento de política mais adequado para reduzir essa pressão sobre o meio ambiente. Outro fator interessante é que quando começamos a analisar estes fatores de mudança, é possível avaliar como eles interagem. Em geral, os vetores de mudança não atuam isoladamente.

Boletim Interfaces – A sra. poderia exemplificar?

Mercedes Bustamante – A conversão de área nativas em cultivo implica na utilização de fertilizantes. Estes fertilizantes podem ser causa de poluição ambiental. Então há um vetor que é a produção de commodities agrícolas (produtos para exportação), que além da mudança da cobertura vegetal, origina processos associados à poluição ambiental, por agrotóxicos ou fertilizantes. Essa conversão pode acelerar o processo de invasão biológica, espécies exóticas que se tornam invasoras e que entram porque estas áreas foram perturbadas. Então, estes vetores não atuam de forma isolada, mas muitas vezes de forma sinérgica e complexa, o que significa que os instrumentos de política não podem olhar um único fator. Então, quando desenhamos políticas ambientais ou quando pensamos em estratégias de redução dos vetores, temos que ter clareza de que forma eles interatuam. Às vezes, alterarmos em um pedacinho da equação, mas há vários outros pedacinhos que também geram impactos ambientais.

Vetores de mudança não atuam isoladamente

Boletim Interfaces – As questões ambientais ainda se restringem muito à esfera dos Ministérios do Meio Ambiente (MMA) e, no campo da pesquisa, no Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Entretanto, como a sra. mesmo apontou, trata-se de uma questão complexa que demanda o envolvimentos de outros atores e Ministérios. Como fazer isto?

A Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (BPBES) tem papel fundamental. Primeiramente, ao compilar e organizar informações existentes para o Brasil e então apresentar isso de forma adequada para o quadro político, ou seja, onde estão as interfaces com os mandatos de diferentes setores do governo. Com isso, vamos saber com que atores e ministérios conversar. Por exemplo, um fator importante para transformação biodiversidade pode ser a contaminação por exploração mineral. Isto não é responsabilidade única do MMA, o Ministério de Minas de Energia também precisa se mobilizar. A clara identificação desses fatores permite entender quais são os pontos que devem ser trabalhados e comunicados para estabelecer estes diálogos de forma que tenhamos medidas mais efetivas.

Então quando a plataforma se compromete a fazer um diagnóstico, pode parecer “um documento grande”, mas de certa forma, toda informação necessária estará reunida em um único documento e não dispersa. Para resolver determinado problema ambiental precisamos de coordenação e integração das políticas.

Boletim Interfaces –  Como sua experiência como gestora no Ministério da Ciência Tecnologia Inovações e Comunicações (MCTIC) e Ministério da Educação (MEC), e também de autora dos diagnósticos do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) e Painel Intergovernamental sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES) colaboram para conduzir a coordenação da Plataforma Brasileira  BPBES?

As experiências no MCTIC e no MEC foram muito importantes. Estabelecer diálogo com tomadores de decisão é algo para o qual a formação acadêmica mais tradicional não nos prepara. Entender como é o processo de tomada de decisão, como se estabelece, como os atores dialogam é fundamental para afetar o processo. Levamos a experiência da academia para gestão, e, quando retornamos, somos também transformados. Comecei a perceber que também precisamos preparar nossos alunos e pesquisadores para que eles entendam esses processos.

As participações em plataformas intergovernamentais em escalas globais como IPCC e IPBES foram bastante enriquecedoras para perceber que muitos dos problemas ambientais têm consequências locais muito fortes. Mas muitos destes problemas têm origem fora do Brasil. Trata-se de dinâmicas globais, e que quando trabalhamos nessas plataformas há a possibilidade de estudar um pouco mais essas associações remotas. Vários desses fatores precisam ser resolvidos internamente, porém o Brasil está inserido em um mundo que está se transforma rapidamente, precisamos estar preparados.

Mudanças climáticas talvez sejam o exemplo mais emblemático. A atmosfera é um bem comum. Podemos reduzir todas as emissões de CO2 no nosso território e continuaremos sofrendo todos os impactos das mudanças climáticas se os outros países não o fizerem. Podemos ter todo controle de interno de espécies invasoras, mas se determinados países não controlam suas fronteiras ou não controlarem a proliferação de espécies exóticas com potencial de invasão, as medidas não funcionam. Quando problemas ambientais atingem escala global, a cooperação tem avançar para fazer frente a esses problemas globais. Essas plataformas trazem uma atmosfera colaborativa entre cientistas e governo.

==========

Mercedes Bustamante é professora da Universidade de Brasília (UnB). Bióloga, mestre em ciências agrárias e doutora em geobotânica pela Universidade Trier, na Alemanha. Bustamante é membro da Academia Brasileira de Ciências e atualmente uma das principais referências no bioma Cerrado. Foi co-coordenadora do capítulo “Agriculture, Forestry and Other Land Uses” do 5º Relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC). Ainda no âmbito internacional, Mercedes foi membro do Comitê Científico responsável pela revisão do relatório sobre emissões de óxido nitroso (N2O) do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA), representante da América Latina na Iniciativa Internacional do Nitrogênio (2010-2013) e membro do Comitê Científico do Programa Internacional Geosfera – Biosfera (IGBP) de 2007 a 2012 e do Programa Biosfera-Atmosfera na Amazônia (LBA). Em gestão de política científica e educacional, contribuiu como Coordenadora Geral de Gestão de Ecossistemas e Diretora de Políticas e Programas Temáticos no Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação (2010-2013), Diretora de Programas e Bolsas no País da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) e membro do Comitê Assessor da área de Ecologia e Limnologia do CNPq. Bustamante integra a coordenação da Plataforma Brasileira de Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (BPBES).

2018-06-26T19:19:16+00:00

Sobre o Autor:

Bióloga, doutora em Política Científica e Tecnológica (Unicamp), atua na área de planejamento e avaliação de CT&I, com ênfase em gestão de programas de pesquisa em biodiversidade. Estuda Jornalismo Científico e acredita que a informação e o diálogo (+ uma pitada de esperança) são o caminho das melhores escolhas.